Cashback: Qual é o papel no marketing?

cashback

As empresas buscam fidelizar os clientes das mais diferentes maneiras, e o Cashback é um modelo de negócio que está ganhando cada vez mais espaço no setor varejista, além de ajudar na divulgação e no planejamento de marketing.

A predominância de aplicativos digitais tem estabelecido um novo patamar nos hábitos dos consumidores.

Com isso, muitas pessoas estão adotando a moeda virtual para garantir descontos e aproveitar promoções apresentadas pelas mais diferentes empresas.

O cashback, que em tradução livre significa “dinheiro de volta”, é uma forma de recompensar os clientes após a realização de uma compra.

Assim, a retenção de clientes se torna ainda mais factível para as empresas, principalmente aquelas que investem em comércio eletrônico.

Essa bonificação está associada a uma carteira digital disponível por instituições bancárias, principalmente as fintechs, e por aplicativos voltados para o e-commerce.

Com o avanço das tecnologias disponíveis para o grande público, os processos associados à digitalização comercial ganham maior abrangência.

Essas compensações em forma de cashback tem como objetivo principal reter os clientes que escolhem uma plataforma específica para compra.

Para as empresas, é possível trabalhar o marketing de forma direta com o público-alvo, tendo uma concentração em um único local, garantindo compras e fidelizando os usuários por meio das parcerias.

Isso acontece porque o cashback fica disponível no próprio site da empresa, ou em um aplicativo dedicado a essa transação monetária.

Dessa forma, as compras ficam centralizadas em um único estabelecimento, ou dentro de um marketplace confiável, dando mais poder de compra ao consumidor.

No entanto, a palavra-chave que direciona essa relação diz respeito às facilidades e a economia que o processo traz para todos os envolvidos.

Afinal, o crédito acumulado pode ser utilizado a qualquer tempo, como uma espécie de poupança que fica à disposição do cliente por um período determinado, e que precisa ser gasto com a própria empresa que oferece.

Surgimento e definição de cashback

Esse modelo de negócio é relativamente novo, que surgiu por causa do comércio eletrônico, a partir de 2010, no site americano Ebates.

No Brasil o cashback chegou por meio da startup Méliuz, uma plataforma digital que está em operação desde 2011, disponibilizando cupons de desconto em diferentes lojas virtuais, e-commerces e marketplaces parceiros.

O dinheiro de volta ao cliente está relacionado ao valor pago em algum produto ou serviço, podendo variar entre 5% e 10%, ou qualquer outra margem estipulada pelo e-commerce ao qual o cliente está vinculado. Contudo essa informação e margem devem ser especificadas adequadamente.

Vale ressaltar que as empresas estão aptas a oferecer esse tipo de garantia aos clientes, respeitando a legislação de movimentação financeira e bancária estabelecida em todo o território nacional.

O funcionamento do cashback na prática

Na verdade, o cashback segue um padrão bem definido, que é explicado quando o consumidor passa a fazer parte do programa oferecido pela empresa.

Dessa forma, é preciso verificar como ocorre o repasse do cashback, onde ele pode ser utilizado, levando em consideração que há programas que devolvem mesmo o dinheiro de volta em espécie, caso seja necessário.

Sendo assim, é importante verificar como funciona todo o programa de cashback, qual a diferença entre os descontos e ofertas que estão à disposição, e quais são os resultados financeiros na vida de uma pessoa.

1.   Lojas físicas e virtuais oferecem cashback

Apesar de nascer a partir de uma startup ligada ao comércio eletrônico, as lojas físicas também podem oferecer um programa de cashback para os clientes.

Para quem tem dificuldade de implementação de um sistema apropriado para garantir o acesso tanto no estabelecimento comercial físico quanto em um e-commerce, há profissionais que desenvolvem  saco plastico para roupas no cabide com toda a estrutura tecnológica disponível.

Com isso, é possível reunir em diferentes plataformas digitais o programa, para que os clientes possam verificar o cashback à disposição e utilizar tanto no comércio eletrônico quanto na comercialização tradicional.

2.   A diferença entre cashback e desconto

Esse é um ponto que precisa ser especificado para não ficar nenhuma dúvida. O cashback não é propriamente um desconto sobre o preço de um produto.

O desconto é um valor subtraído de um preço final de um produto, que pode variar conforme a promoção que o estabelecimento comercial oferece, ou conforme a quantidade de compras.

O cashback é exatamente ter o dinheiro de volta, para que possa ser utilizado em um outro momento, como em uma próxima compra de meia para andar de bike ou um capacete em uma loja que aceita o mesmo programa.

3.   Retorno financeiro satisfatório

Uma pessoa que faz parte de um programa de cashback pode estar interessada em fazer uma reforma no próprio estabelecimento comercial.

Para que o custo final não fuja do capital disponível, é possível recorrer ao cashback que lojas de material de construção fazem parte, e assim ter um retorno financeiro sobre as compras necessárias.

Assim fica mais fácil investir em outros equipamentos para o próprio empreendimento, utilizando o cashback para  o conserto de balança eletrônica e poder atender melhor os clientes.

Empresas se beneficiam com fidelização e marketing

Para os empreendedores que passam a oferecer um programa de cashback aos clientes, há diversas vantagens, que vale a pena um destaque para cada ponto.

1.   Fidelização do cliente

O marketing de atração de uma empresa vislumbra etapas distintas em que o cashback pode funcionar como isca.

A partir do momento que uma loja vende caixa térmica para vender picolé, embalagens e formas para fazer os picolés, a fidelização se formaliza na divulgação de que determinado programa de cashback faz parte do plano de negócios do estabelecimento.

O consequente retorno do cliente está inserido dentro do funil de vendas, que faz parte da estratégia de marketing para garantir a melhor experiência possível em relação à jornada de compra do consumidor.

2.   Permite conhecer o hábito dos consumidores

Os dados de clientes obtidos a partir da formalização e participação em um programa de cashback permite acesso aos hábitos de consumo.

Um fabricante de mochila escolar que oferece aos fornecedores uma parceria comercial que envolve o programa de cashback está inserido em um mesmo círculo de consumidores.

Dessa forma, fica mais fácil conhecer os hábitos dos clientes, quais as necessidades rotineiras e quais são aquelas que estão relacionadas à momentos de lazer, por exemplo.

A observação deve ser frequente, para que as empresas possam estar alinhadas e em uma mesma sintonia, para que o cashback fique dentro de um mesmo círculo de consumo.

3.   Maior visibilidade e aumento de vendas

Ter a marca reconhecida é papel fundamental do setor de marketing. Entretanto, se for preciso vender uma bomba albacete do segmento da construção civil, é preciso encaixar o programa de cashback em diferentes níveis de consumo.

Afinal, há desde as construtoras e incorporadoras imobiliárias, até os proprietários dos imóveis que ficarão prontos após determinado tempo.

De qualquer maneira, é preciso garantir maior visibilidade para todas as marcas envolvidas, e prever o atendimento à demanda caso haja o aumento de vendas por causa do cashback e do próprio planejamento de marketing envolvido.

Conclusão

Não é possível apontar qual o melhor cashback disponível no mercado, pois cada um possui ofertas e promoções exclusivas, relacionadas ao empreendimento ou modelo de negócio disponível aos consumidores.

Há diversos aplicativos disponíveis para celulares smartphones, que podem ser baixados de forma gratuita e utilizados em:

  • Cartões de crédito;
  • Instituições bancárias;
  • Lojas e magazines de varejo;
  • Postos de abastecimento de veículos.

A escolha fica sob a responsabilidade de cada empreendimento e até do próprio cliente, que sabe como são os hábitos de consumo de quem contrata uma empresa para montagem de galpão pré moldado ou para fazer reformas nesse tipo de estabelecimento.

Ao fazer compras em um supermercado próximo à residência, por exemplo, e esse estabelecimento comercial oferece um programa de cashback acessível e interessante financeiramente, é benéfico para ambas as partes.

Para o consumidor é bom porque não precisa se preocupar em fazer pesquisa de preço sobre os produtos e serviços disponíveis próximo de onde mora.

Para a empresa, garante a retenção e fidelização do cliente, que utiliza o cashback no próprio local.

Até mesmo no modelo B2B (Business To Business) o cashback pode ser vantajoso para quem oferece e para quem se associa a um programa de fidelização entre parcerias empresariais.

Sendo assim, um representante comercial autônomo pode trabalhar como distribuidor de produtos profissionais de cabelo e conseguir descontos nas compras recorrentes, passando o cashback como lucro.

Quem utiliza o cartão de crédito, que é outro modelo de cashback muito útil, vale verificar os custos com anuidade, ou mesmo os valores de manutenção, bem como outras promoções existentes, como milhas, para ver se o dinheiro de volta é uma vantagem ou não.

Por fim, é importante entender de forma plena o funcionamento do programa de cashback que se está inserido, e identificar se a recompensa é satisfatória e a economia está fazendo a diferença dentro de um determinado período, como mês a mês.

Todo o marketing pode ser trabalhado sobre esse assunto, em diferentes etapas de divulgação, sempre propondo uma forma de garantir o destaque para a marca e o programa ao qual a empresa está associada.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Business Connection, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Artigos Relacionados

Redes Sociais